china

A moda na China

18:43

Oi meninas/os! Final de período deixa a gente meio louca da vida né? E depois que tudo se acerta é hora de organizar o que deixamos de lado nos últimos meses. Conto isso pois organizando algumas papeladas encontrei anotações das palestras que assisti no CINM ano passado! 

Fiquei entusiasmada em postar para vocês, pois trata-se de dados interessantes do mercado chinês, uma visão completamente diferente da que tinha e creio que algumas de vocês também. Espero que curtam! :)

Marca de luxo chinesa Ne.Tiger

Quem participou da Conferência na ocasião foi Christine Tsui, historiadora de moda chinesa da Faculdade de Ciências de Hong Kong.

Christine abordou a indústria da moda na China. Conhecida por seus produtos baratos, barganha, rápido volume e qualidade ruim, apresentou marcas que são bastante conhecidas no mercado interno e que ditam tendências locais mas que não necessariamente tem esse perfil. Assim, conhecemos um novo perfil do mercado do país. Foi dito por Christine que nem sempre a moda Chinesa em outros países, é esta de fato. Já que não são moda implementadas por designers do país.

Mostrou geração diferentes de designers que estão influenciando o mercado. Desde os tradicionais que utilizam elementos tradicionais chineses, aos que trabalham técnicas especiais na seda, ou ainda os que fazem roupas experimentais em uma geração mais recente, por exemplo. O mercado de luxo na China tem margem de 30% a 50% a mais que no ocidente. Um perfil pouco conhecido do país.

Desafios apontados:
·         Não serem conhecidos apenas pela concorrência de preço ou pela cópia e linhas similares a outros países;
·         Custo da mão-de-obra e tributações;

Deu exemplo de empresas que estão dando certo no país, como Tao Bao com faturamento de 3 bilhões de dólares e que está moldando o comportamento de consumidores no país. 

Destacou a importância do comércio online e a necessidade de uma boa relação pessoalmente com os consumidores. As pessoas estão competindo cada vez mais por visibilidade online e os produtos ficam mais caros. Isto porque há um alto investimento para se manter a frente dos concorrentes. Segundo ela, é necessário investir em propagandas boca a boca, deixando o produto falar por si para barateá-lo.

Por fim, diz que a China não será mais capaz de competir  apenas por preço daqui a 10 ou 15 anos. O mercado internacional já está mais aberto a produtos chineses mas para isso é necessário ainda desmistificar a qualidade dos produtos. A China ainda apresenta um outro problema segundo Christine, que são as novas gerações que não querem trabalhar em fábricas. Os altos custos estão fazendo as fábricas migrarem para outros países. Então, consequentemente com preços aumentando a saída é competir com qualidade. E esse foi o caminho que apontou também para o Brasil.

Você também pode gostar de:

0 comentários

Obrigada por sua opinião,é essa troca que torna o blog cada dia melhor..=)

Deixe seu link, junto com sua mensagem para que eu possa conhecer seu blog =D.

E para quem não tem respondo por aqui,ok?

BJS, Luzi.

P.S.:Os comentários são moderados.

Projeto

CURTA